Ir para o conteúdo

Público interno

[G4-DMA Emprego, G4-9]

A Casa da Moeda possuía, ao fim de 2016, 2.934 empregados (aprendizes e estagiários inclusos). O desenvolvimento desse capital humano é um dos temas materiais para a instituição, que mantém várias iniciativas de valorização e reconhecimento de seu público interno. Todos os funcionários estão lotados na Região Sudeste do país (à exceção de um, lotado em Brasília). [G4-10]

Número de empregados por nível funcional*

201420152016
HomensMulheresHomensMulheresHomensMulheres
Conselho8939393
Diretoria414141
Gerência1149701407014169
Assessoramento2403140233921
Coordenação/supervisão31012699249924
Demais funções de confiança4434441404140
Administração5624208583195567191
Produção6742354727334723334
Apoio à produção7369783567135470
Aprendizes395230664268
Estagiários175427783361
Total por gênero2.1379212.0569052.052882
Total3.0582.9612.9349

1 Superintendente; superintendente adjunto; gerente executivo; gerente; chefe de Auditoria; chefe de Gabinete; ouvidor.
2 Assessor especial; assessor de Diretoria Executiva; assessor; assistente técnico de Diretoria Executiva; assistente técnico.
3 Coordenador; supervisor.
4 Consultor sênior; consultor; especialista; inspetor; perito de valores; pregoeiro; secretária de Diretoria Executiva; secretária.
5 Empregados sem função lotados em: Presi, Gabin, Dejur, Depac, Deemp, Audit, Disel, Dicem, Dipim, Diges, Detic, Decof, Degep, Decec, Delog, Desec, Degec.
6 Empregados sem função lotados em: Deser, Deced, Demom, Depas, Depim.
7 Empregados sem função lotados em: Detes, Decos, Detec, Demaq, Decem, Detip, Decop.
8 Conselheiros titulares e suplentes
9 O número de empregados próprios da Casa da Moeda, descontados conselheiros, diretores, estagiários e jovens aprendizes, é de 2.713, como especificado na tabela da página 53.

Empregados, por tipo de contrato e gênero

201420152016
HomensMulheresHomensMulheresHomensMulheres
Tempo indeterminado2.0798141.9967601.976752
Tempo determinado*561065714475129
Total por gênero2.1359202.0539042.051881
Número de empregados por tipo de emprego201420152016
HomensMulheresHomensMulheresHomensMulheres
Jornada integral2.0968682.0238382.009813
Meio período**395230664268
Total por gênero2.1359202.0539042.051881
Total3.0552.9572.932

*Estagiário e Jovem Aprendiz.
**Jovem Aprendiz.
Fonte: Sistema ERP – Módulo de Gestão de Pessoas.

A oscilação decrescente no número de empregados é justificada pela não realização de concursos públicos desde 2012 e pelo movimento de saída em decorrência de a programas de demissão voluntária, aposentadorias e demissões para ingresso em outras empresas e instituições públicas. O último concurso público foi realizado em 4 de março de 2012.

N.º de desligamentos por gênero*

201420152016
Masculino579631
Feminino125511

Taxa de rotatividade por gênero (%)**

201420152016
Masculino0,0200,0350,011
Feminino0,0040,0200,004

N.º de desligamentos por faixa etária**

201420152016
Abaixo de 30 anos564
Entre 31 e 50 anos222517
Acima de 50 anos4212021

Taxa de rotatividade por faixa etária (%)**

201420152016
Abaixo de 30 anos0,0020,0020,001
Entre 30 e 50 anos0,0080,0090,006
Acima de 50 anos0,0150,0440,008

*Empregado, livre provimento, cedidos/requisitados.
**Desligamentos ou contratação/total de empregados (excluindo conselheiros, estagiários e jovens aprendizes).
Fonte: Sistema ERP – Módulo de Gestão de Pessoas.

N.º de contratações por gênero*

201420152016
Masculino11149
Feminino513

Taxa de novas contratações por gênero (%)*

201420152016
Masculino0,0040,0050,003
Feminino0,0020,0000,001

N.º de Contratações por Faixa Etária*

201420152016
Abaixo de 30 anos601
Entre 31 e 50 anos965
Acima de 50 anos196

Taxa de novas contratações por faixa etária (%)*

201420152016
Abaixo de 30 anos0,0020,0000,000
Entre 30 e 50 anos0,0030,0020,002
Acima de 50 anos0,0000,0030,002

Evolução do quadro pessoal e da progressão profissional

Desde 2014, o número de empregados da Casa da Moeda tem caído ano a ano. A folha de pagamento, entretanto, segue tendência de alta, o que reflete os ganhos reais gerados pelo Plano de Cargos, Carreira e Salários (PCCS) aprovado em 2014, os acordos coletivos negociados com o Sindicato Nacional dos Moedeiros (SNM) em 2015 e os processos de promoção e progressão profissional dos empregados.

Em 2015, o processo de promoções resultou em 2.479 empregados promovidos, dos quais 2.210 foram promoções horizontais e 269, verticais. O processo de 2016 terá seus resultados apresentados apenas no exercício de 2017. Em ambos os processos, os critérios utilizados para a avaliação de merecimento para a promoção anual foram: o cumprimento das metas empresariais e coletivas, a avaliação de desempenho individual e a participação em programas de capacitação institucional. As promoções foram apresentadas em editais com critérios objetivos, baseados na meritocracia ou na antiguidade para o reconhecimento profissional.

Aprovado em 2014 pela Secretaria de Controle e Governança das Empresas Estatais (Sest), o Plano de Desligamento Voluntário (PDV) da Casa da Moeda foi implementado em duas fases (PDV I e II), sendo a primeira em 2014, com a saída de 109 empregados, e a segunda em 2015, quando 8 empregados se desligaram da CMB de acordo com os termos do plano, em data negociada no mesmo ano.

Relação quadro funcional X folha de pagamento 2014/2016 (em R$ milhões)

201420152016
Empregados2.8792.7432.713
Estagiários7110594
Jovem aprendiz9196110

Fonte: Sistema ERP – Módulo de Gestão de Pessoas.

Parte da equipe operacional da fábrica de cédulas: mais funcionários passaram por avaliação em 2016

% de empregados que receberam análise de desempenho [G4-LA11]

Categoria Funcional/Gênero201420152016
Conselho0%0%0%
Homens0%0%0%
Mulheres0%0%0%
Diretoria100%100%0%
Homens100%100%0%
Mulheres100%100%0%
Gerência58%87%87%
Homens68%85%85%
Mulheres32%95%92%
Chefia/coordenação98%99%99%
Homens99%99%99%
Mulheres95%98%100%
Técnica/supervisão91%96%100%
Homens91%98%100%
Mulheres92%91%100%
Administrativo86%88%93%
Homens85%88%93%
Mulheres89%88%92%
Operacional97%99%99%
Homens95%99%99%
Mulheres100%99%99%
Aprendizes100%100%100%
Homens100%100%100%
Mulheres100%100%100%
Estagiários100%100%100%
Homens100%100%100%
Mulheres100%100%100%
Total92%95%96%
Homens91%95%95%
Mulheres94%96%97%

Fonte: Sistema ERP – Módulo de Gestão de Pessoas.

Capacitação e gestão do conhecimento [G4-LA10], G4-DMA Treinamento e educação

A CMB está em um momento de transição do modelo de treinamento e desenvolvimento (focado apenas na execução do trabalho) para a educação corporativa, com a missão de desenvolver competências técnicas e comportamentais com a criação, transferência e aplicação de conhecimentos.

Em 2015 foi criado o Departamento de Gestão do Conhecimento e Ensino Corporativo, para desenvolver e implementar estratégias educacionais com foco nos objetivos de negócios. Sua missão é garantir conhecimento e as competências corporativas necessários à atuação eficiente e eficaz. A visão do departamento é obter, até 2018, o reconhecimento como universidade corporativa.

Outras ações incluem a reforma do Centro de Formação (Cefor, instalado na sede, em Santa Cruz) e a utilização do palacete da Praça da República (centro do Rio de Janeiro), prédio histórico tombado pelo Patrimônio Público. Ainda está nos planos o investimento na capacitação e no desenvolvimento gerencial.

A gestão do conhecimento na Casa da Moeda passa por uma transição: do modelo de treinamento e desenvolvimento para a educação corporativa

Fonte: Sistema ERP – Módulo de Gestão de Pessoas.

Média de horas de treinamento* [G4-LA9]

Categoria Funcional/Gênero201420152016
EHH/EEHH/EEHH/E
Conselho1000900,01260,5
Homens70600,0960,7
Mulheres30– 300,0300,0
Diretoria500,0510,2500,0
Homens40– 41–  400,0
Mulheres10– 10–  100,0
Gerência1052382,3955956,376470,6
Homens77234– 74204–  56350,6
Mulheres284– 21391–  20120,6
Chefia/coordenação1997203,61899725,11303172,4
Homens135582– 126821–  821401,7
Mulheres64138– 63151–  481773,7
Técnica/supervisão1875262,81801.2316,81235954,8
Homens112451– 111737–  984865,0
Mulheres7575– 69494–  251094,4
Administrativo8233.7184,58035.8307,37263.3214,6
Homens6113.158– 5964.976–  4992.2134,4
Mulheres212560– 207854–  2271.1084,9
Operacional1.5648.1305,21.4757.8015,31.57414.080,98,9
Homens1.1326.485– 1.0786.472–  1.1639.926,98,5
Mulheres4321.645– 3971.329–  4112.2845,6
Trainees
Homens– – – – – – – – – 
Mulheres– – – – – – – – – 
Aprendizes– – – – – – 1101101,0
Homens– – – – – – 42421,0
Mulheres– – – – – – 68681,0
Estagiários– – – – – – 
Homens– – – – – – – – – 
Mulheres– – – – – – – – – 
Total2.89313.3324,62.75616.4306,02.646,01.7407,96,6
Homens20781.09105,31.99513.2116,61.91112.8076,7
Mulheres8152.4223,07613.2194,27353.6905,0

*Não foram considerados trainees e estagiários. Os aprendizes não foram considerados nos anos de 2014 e 2015.
Fonte: Sistema ERP – Módulo de Gestão de Pessoas.
E = Empregados
h = Horas
h/e = Horas por Empregado

Pesquisa de Clima

O aprimoramento do clima organizacional é um dos objetivos estratégicos da Casa da Moeda. Em dezembro de 2015, foi aplicada a Pesquisa de Clima Organizacional (PCO), com o objetivo de aferir o nível de satisfação dos empregados com a empresa e suas principais demandas sobre o ambiente de trabalho. O questionário foi respondido por 960 pessoas (36,5% do total de empregados) e o resultado mostrou que a meta estabelecida de satisfação do público interno foi batida, com uma margem de 5%. O destaque positivo apontado pelos funcionários foi o “Sentimento de orgulho de trabalhar na CMB”; o negativo foi a “Burocracia na empresa”.

Sala de apoio à amamentação

Em março de 2015, foi inaugurada uma sala de apoio à amamentação, medida incentivada pelos ministérios da Saúde e do Planejamento e pela Sociedade Brasileira de Pediatria. Com a inciativa, todas as mulheres do público interno (empregadas, estagiárias, jovens aprendizes e terceirizadas) em período de aleitamento – que, por recomendação da Organização Mundial da Saúde, deve ser de dois anos ou mais – passaram a contar com um espaço reservado e climatizado.

Iniciativas de capacitação e desenvolvimento [G4-LA11], G4-DMA Treinamento e educação

Os investimentos em educação corporativa na CMB contemplaram 278 temas distintos em 2016. Foram disseminados conhecimentos sobre gestão pela qualidade total, gestão de negócios, produção gráfica, metalurgia, sustentabilidade, ética, gestão da diversidade, oficina de ideação, alimentação saudável e sustentável, informática e outros.

Dentre os 278 temas, 107 foram ações educacionais (formativas e informativas) ofertadas internamente, por meio de 187 multiplicadores internos. Destacaram-se: curso de Fundamentos da Produção Gráfica, palestras sobre a História da Casa da Moeda e do Dinheiro no Brasil, curso sobre Mapeamento de Processos, NR- 10, Inglês e Espanhol (Básicos) para os voluntários moedeiros da Rio 2016, curso Padronização das Atividades de Segurança, Logística, Flexografia, Serigrafia e Visual Basic for Applications (VBA).

Ainda iniciou-se o Curso Técnico em Processos Gráficos no Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), com a capacitação de 28 profissionais do segmento de produção, em prol da manutenção e do desenvolvimento contínuo da CMB no ramo gráfico.

Abaixo, encontra-se o quantitativo de participações e de investimentos em educação corporativa no período 2014 a 2016. Nos anos de 2014 e 2015 foi realizado um quantitativo elevado de ações educacionais (palestras) corporativas sem custo para a CMB, com a participação de um número expressivo de empregados.

Em 2016 ocorreu declínio no quantitativo de ações educacionais ofertadas e, por consequência, das participações, em função da mobilização interna para atendimento ao Planejamento Anual de Produção/2016 e produção das medalhas e moedas comemorativas para as Olimpíadas. Por outro lado, houve aumento do valor investido em 2016, pelo perfil de contratações das ações educacionais para atendimento ao segmento técnico com público específico, tais: como Curso Técnico em Processos Gráficos (formação com longa duração), Formação de Conselheiros (longa duração), Coaching para Conselheiros e Reciclagem de Brigadistas.

Ações Educacionais

Fonte de dados para o gráfico: ERP: módulo Treinamento.

Em 2016 também foi construído um modelo de planejamento educacional que será pautado na Grade de Competências alinhada ao Plano Estratégico, ao Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) e ao Plano de Gerenciamento e Assessoramento (PGA), abarcando as necessidades peculiares de cada área da CMB. A consolidação e aprovação da Grade de Competências, que norteará a elaboração do Programa de Educação Corporativa 2017, é o próximo passo.

A CMB investe em cursos previstos no planejamento de desenvolvimento ou solicitados pelas gerências imediatas dos empregados. A empresa efetua o pagamento integral das inscrições, alimentação, transporte e hospedagem, se for o caso.

Taxas de saúde e segurança de trabalhadores (empregados próprios)

201420152016
Taxa de lesões20,7613,7316,99
Total de acidentes típicos CPT171015
Total de acidentes típicos CPT e SPT2433357
Acidentes típicos (%)1,5%1,2%2,0%
Total de acidentes (excluindo doenças)14390110
Total de doenças ocupacionais742
Total de óbitos000
Total de dias perdidos*7293161

*Trata-se de dias corridos. Acidente típico: é aquele ocorrido durante a atividade fim do empregado. Os valores contemplam todas as unidades da CMB: parque fabril e escritório do Flamengo e de Brasília.
1: CPT: acidente com afastamento, indica o acidente no qual o empregado recebeu no mínimo um dia de abono médico para sua recuperação.
2: SPT: acidente sem afastamento, indica o acidente no qual o empregado não precisou se afastar de suas atividades em virtude do acidente sofrido. Os valores relatados não computaram acidentes de trajeto.
Fonte: ERP – Módulo Medicina e Segurança do Trabalho.

Segurança e saúde ocupacional [G4-LA6], G4-DMA Saúde e segurança no trabalho

A Casa da Moeda trata das ocorrências de incidentes de trabalho por meio de normas internas próprias de investigação, controle e registro. A instituição possui ambulatório com médico plantonista, técnico de enfermagem e motorista, disponíveis 24 horas por dia. A comunicação dos acidentes é feita por meio do ambulatório, local do atendimento de primeiros socorros. A metodologia de cálculo é baseada nos requisitos da ABNT NBR 14.280 e atende ao estabelecido na Norma Regulamentadora N.°4 da Portaria 3.214/78 do Ministério do Trabalho. Os terceirizados não foram contabilizados nos índices; o controle de acidentes desses empregados é feito separadamente, com informações prestadas por contratadas, gestores de contratos e ambulatório médico da CMB.

O número total de acidentes típicos apresentou queda entre 2013 e 2015, reflexo da eficácia do programa de segurança do trabalho na CMB – que inclui mapeamento dos riscos ocupacionais, inspeções, intensificação de Diálogos Diários de Segurança (DDS) e auditorias internas, entre outras iniciativas. Em 2016, houve uma piora na taxa (2,0% contra 1,2% em 2015), em decorrência da concentração da produção no final do ano. Técnicos de segurança passaram a acompanhar diariamente o trabalho nas seções que apresentaram maior ocorrência de incidentes. As observações foram incorporadas aos DDS específicos sobre os riscos identificados.

Quanto à ocorrência de doenças ocupacionais, houve uma redução em 2015 de 43% em relação ao ano anterior. Algumas ações de promoção da qualidade de vida no trabalho contribuíram para o resultado alcançado, entre elas:

  • Programa de alimentação, nutrição e saúde (Nutrivida), em consonância com as diretrizes da Política Nacional de Alimentação e Nutrição (Pnan) e que propicia ações estratégicas de atenção nutricional para os empregados da CMB. Em 2015, o Nutrivida registrou 2.146 atendimentos, um aumento de 45% em relação ao ano anterior;
  • Campanhas de vacinação, incluindo antigripal, hepatite A+B e HPV, entre outras. Em 2015, a primeira dose da vacina contra a hepatite A+B foi ministrada a 749 empregados; a segunda dose, a 711 empregados; e a terceira, a 21 empregados. Já a vacinação contra HPV contabilizou 1.418 empregados na primeira dose, 1.312 na segunda e 900 na terceira. A antigripal foi dada a 2.298 empregados. As campanhas abrangeram os empregados da CMB, terceirizados, jovens aprendizes e estagiários, a partir dos 17 anos.
  • Ginástica laboral no local de trabalho. Além do programa regular de exercícios, desde 2014 é realizada anualmente a Maratona de Ginástica Laboral, com exercícios orientados por fisioterapeutas, com o objetivo de diminuir os casos de distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (Dort) e licenças médicas.
  • Iniciativas para evitar distúrbios osteomusculares, com foco na redução do tempo de exposição a riscos de lesões, e a implementação da Análise Ergonômica do Trabalho (AET).

Os planejamentos contra incêndio, pânico e demais emergências incluíram capacitações e novos investimentos em 2015 e 2016. Além dos exercícios simulados regulares de evacuação (parcial e geral) dos empregados, foram adquiridos diversos equipamentos, como tapetes isolantes para as subestações de energia e abastecimento de líquido gerador de espuma antifogo. Dentro do Plano de Ação de Emergência (PAE), houve a realização de palestras educativas e de cursos de bombeiro civil e brigadista voluntário, em complementação aos treinamentos regulares realizados por empregados das áreas de Segurança do Trabalho, Manutenção e Projetos.

Está prevista a instalação, até 2020, de novos sistemas de detecção e alarme de incêndio, chuveiros automáticos e dispositivos de segurança específicos para depósitos de inflamáveis. O investimento total é estimado em R$ 15,2 milhões, o que inclui a fase de projetos, as capacitações e a compra de equipamentos.